Fazenda Capão Alto adota projeto que pretende tirar araucárias do risco de extinção

Fazenda Capão Alto adota projeto que pretende tirar araucárias do risco de extinção

Da assessoria

Aproximadamente cinco mil mudas de araucária crescem no viveiro aos fundos do casarão histórico da Fazenda Capão Alto, em Castro no Paraná. Elas têm quase três anos e a expectativa é de que aos oito já comecem a produzir pinhão. Dentro da fazenda de 320 anos está um dos 20 viveiros implantados no Estado pelos projetos ‘Pinheiros do Século 21’ e ‘Resgate da Árvore Símbolo do Paraná’, iniciativas privadas com apoio do Governo Estadual que têm como meta produzir até 100 mil mudas de araucária ao ano para replantar 10 milhões delas no território paranaense.

Andersen do Espírito Santo, responsável por implantar os projetos na Fazenda, conta que, para salvar a araucária do risco de extinção, as iniciativas transformam o plantio, a colheita e o corte da madeira em uma atividade rentável, com regras adequadas.

“Basicamente, as iniciativas permitem que pinheiros de ciclo precoce plantados e registrados no órgão ambiental possam ser explorados comercialmente”, detalha.

Isso é possível graças ao trabalho de cientistas da Universidade Federal do Paraná, liderados pelos pesquisadores Flávio Zanette e Ivar Wendling, com apoio da Embrapa, que realizaram nas últimas quatro décadas um enorme avanço no melhoramento genético da araucária. Através da técnica da enxertia, os professores clonaram pinheiros com DNA excepcional, capazes de produzir pinhas maiores, em maior quantidade e mais cedo.

Para Koob Petter, diretor do Grupo Koelpe, que administra a fazenda tombada pelo Patrimônio Histórico do Paraná, a implantação do viveiro é uma oportunidade de garantir que a fazenda se torne autossustentável, com a venda das mudas. “A Capão Alto é um espaço de preservação da História e da natureza, com pinheiros centenários, alguns com mais de 400 anos, que deixam a paisagem mais bonita e encantam os turistas. Faz muito sentido adotar esses projetos que querem a reposição da floresta de araucária no nosso Estado e que ainda são economicamente viáveis, para garantir que esse local seja preservado pelas próximas gerações”, pontua.

Enxertia acelera processo de produção de pinhão

Enquanto um pinheiro comum começa a produzir pinhões aos 20 anos de idade e gera de 25 a 30 pinhas de três quilos cada por ano, os pinheiros clonados começam a produzir aos oito anos e são superprodutivos aos 13, segundo os pesquisadores da UFPR que desenvolveram a técnica. Na maturidade, produzem 300 pinhas ou mais com peso médio superior a três quilos e se mantêm produtivos por até 200 anos. Algumas dessas árvores chegam a produzir 500 pinhas por ano e outras produzem pinhas que chegam a pesar seis quilos.

O pinheiro que deu origem a este trabalho de pesquisa está em Caçador (SC) e foi plantado por Vânio Czerniak há mais de três décadas, com semente selecionada geneticamente. A árvore começou a produzir aos nove anos e é campeã mundial de produtividade: já chegou a mais de 600 pinhas em um só ano, o equivalente a 30 anos de produção de um pinheiro comum.

De acordo com os cientistas, o resultado econômico pode ser três vezes superior ao obtido com o cultivo da soja numa mesma área e isso é o principal incentivo para que produtores rurais optem pelo plantio e ajudem no reflorestamento da araucária no Estado. “O pinheiro deixa de ser um problema no quintal ou na lavoura, já que é protegido por lei, e passa a ser uma oportunidade de renda”, considera Flávio Zanette, coordenador da pesquisa.

Pinheiros clonados podem evitar extinção da árvore símbolo do Paraná

A técnica de enxertia desenvolvida pelo pesquisador Flávio Zanette, do setor de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná, conhecido como o ‘pai da araucária de proveta’, é referência e pode salvar o pinheiro da extinção por torná-lo a uma planta de alto interesse econômico.

Ele explica que o enxerto em árvores frutíferas é comum e é usado por produtores para diminuir o tempo de geração de frutos, além de reduzir o tamanho das plantas para facilitar o manejo. Nas araucárias a enxertia é mais recente. “É uma planta tão admirada pelos brasileiros e isso me motivou a estudar a biologia da araucária. Consegui comer pinhões de plantas que eu mesmo enxertei há seis anos e esse era o grande objetivo”, comemora.

Outra característica interessante, de acordo com o pesquisador, é que os pinhões tendem a não perder a qualidade ao longo do tempo, pois não avançam de geração. “As árvores vêm de uma mesma matriz, são clones e não perdem suas características com o passar dos anos”.

Além disso, as araucárias enxertadas ainda reservam um fator econômico importante para as próximas gerações. “Em 70 anos, a madeira dos pinheiros plantados agora poderá ser aproveitada e a legislação atual permite isso”, aponta Zanette.

Viveiro da Capão Alto tem mudas de pinheiro de três variedades

Implantado em 2021, o viveiro da Fazenda Capão Alto tem árvores de três variedades em cultivo: uma proveniente da árvore de Caçador (SC), outra de uma araucária conhecida como ‘Gigante’, da família Nerbas (SC), e a terceira da variedade o Kaiowa. Cada uma tem características diferentes em relação ao tipo da árvore, produtividade, tamanho da pinha e do pinhão. No Jardim Clonal, 154 árvores são cultivadas para extração de material genético de propagação e, no viveiro atualmente 1.589 mudas clonadas das três espécies estão em desenvolvimento.

Recentemente, o Viveiro de Pinheiros Capão Alto firmou contrato de parceria com a Embrapa Florestas de Colombo (PR), onde professor Ivar Wendling também desenvolve pesquisas de desenvolvimento e enxertia para implantar um Jardim Clonal de cultivares especiais e superprodutivas femininas (variedades BRS 405, 406 e 407) e também masculinas (BRS 426, 427 e 428).

Já no setor de ‘porta-enxertos’, 4.886 mudas feitas com pinhões comuns, da própria fazenda, estão crescendo para que em um ou dois anos recebam os enxertos com o material genético extraído do Jardim Clonal do próprio Viveiro de Pinheiros Capão Alto. Na Fazenda, um pomar com 12 árvores serve de amostra e laboratório para as pesquisas.

Nesta safra já estão plantadas aproximadamente nove mil sementes que deverão germinar entre 30 a 60 dias para então serem transplantadas para os potes de ‘porta-enxertos’ em quatro meses.

O Viveiro de Pinheiros Capão Alto tem certificado de inscrição no Registro Nacional de Sementes e Mudas, o Renasem, documento obrigatório para a exploração comercial da araucária. As mudas de pinheiro do Paraná com ciclo mais curto são vendidas para produtores rurais que querem investir em reflorestamento e explorar comercialmente o Pinhão.

Legislação incentiva plantio de pinheiros no Paraná

Espécie dominante na floresta original da região Sul do Brasil, a Araucária Angustifólia ocupava uma área de 200 mil quilômetros quadrados, mas a partir do século XIX o pinheiro do Paraná foi intensamente explorado pelo alto valor econômico de sua madeira até chegar, hoje, a apenas 2% da área original.

Majestosa, a árvore pode atingir 50 metros de altura e diâmetro de 2,5 metro no tronco. Imagem única na nossa paisagem, infelizmente é ameaçada de extinção e, por causa disso, seu corte é proibido por lei. Curiosamente, a mesma lei que protege as árvores é a que dificulta, na prática, seu cultivo. Os paranaenses acostumaram-se, segundo o professor Zanette, a arrancar as mudas que nascem casualmente com receio de depois não poderem cortá-la.  

Já a Lei Estadual 20.223/2020 define regras para o estímulo, plantio e exploração da araucária no Paraná. O direito de explorar direta e indiretamente a espécie é garantindo exclusivamente àquele que plantar na modalidade “plantação de Araucaria Angustifolia”, definida como povoamento com finalidade comercial. É preciso respeitar o espaçamento regular entre indivíduos e as plantações devem ser realizadas fora dos remanescentes naturais nativos, das Reservas Legais, das Áreas de Preservação Permanente e demais áreas protegidas. Com essa legislação mais recente, o projeto do professor Zanette ganhou mais força e pode se tornar o caminho para que a araucária volte a se destacar nas paisagens do Estado.

Imagens: Emanoelle Wisnievski

Redação Página 1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.
× Fale com o P1 News!