Para a polícia, motorista de ônibus que prensou carro disse que estava a 70 km/h

Para a polícia, motorista de ônibus que prensou carro disse que estava a 70 km/h

Matheus de Lara

Na tarde de sexta-feira (30), o motorista do ônibus, de 30 anos, que provocou o trágico acidente na PR-151, em Castro, matando o casal de namorados, José Carlos Cordeiro dos Santos, de 55 anos e Noeli de Fátima de Lara, de 48 anos, prestou depoimento para a Polícia Civil de Ponta Grossa. Para a reportagem do Página Um News, a delegada que conduziu o interrogatório, Ana Paula Cunha Carvalho, disse que o condutor “falou que saiu de uma curva e não percebeu que o trânsito estava parado. Contou que transitava a 70 km/h e que o ônibus teria tacógrafo”.

Após esclarecimento, o motorista foi liberado. De acordo com a delegada, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) disse que em caso de acidentes com vítimas, ou seja, quem provocou o acidente e permanecer no local, não há prisão em flagrante. Peritos estiveram no local do acidente colhendo informações.

O motorista realizou o teste de elitômetro que testou negativo para ingestão de bebida alcoólica. O acidente envolveu caminhão Scania, ônibus da PGTUR e o veículo Kadett, na manhã de sexta-feira.

Vítimas

José era autônomo e Noeli trabalha como diarista. Moradores do Tronco estavam a caminho do trabalho, quando foram prensados na traseira do caminhão.

O sepultamento do casal de namorados ocorreu nesse sábado (31), às 9 horas. José foi sepultado no Tronco e Noeli no cemitério do Socavão. Segundo informações às quais a reportagem teve acesso, a mulher tinha casa no Tronco bem como a mãe do namorado. Noeli deixa duas filhas, de 24 e 22 anos.

O acidente

Às 7h47, câmera de segurança instalada em uma residência próximo do acidente, registrou o momento exato da batida. As cenas mostram quando um caminhão com placas de Batayporã (MS) para no congestionamento, quando em seguida o veículo com placas de Castro para na pista, é quando o ônibus licenciado em Palotina que vinha em seguida não consegue parar e prensa o Kadett. No ônibus e no caminhão só estavam os condutores, que não se feriram.

Em nota para a imprensa, a Concessionária CCR Rodonorte, que administra o trecho, lamentou informar a ocorrência que vitimou os ocupantes do automóvel. Disse que “enquanto ocorria o guinchamento de um caminhão que parou de funcionar em decorrência do congelamento da alimentação de óleo diesel, próximo a construção do viaduto de Castro, uma fila de veículos de aproximadamente 1,30 quilômetros se formou ao longo da rodovia”.

Segundo a nota, o local estava devidamente sinalizado por conta das obras, sendo reforçada após a pane mecânica com viaturas da concessionária e também de homens-bandeira que fizeram a sinalização de emergência de alerta e de final de fila. “Enquanto o guincho fazia o atendimento ao caminhão que apresentou pane, ocorreu o acidente na rodovia”.

A empresa PGTUR, disse que a documentação estava em dia, e que o ônibus passou por manutenção no dia 6 de julho. Afirmou também que o motorista é experiente, e que nunca se envolveu em acidentes, depois que passou a integrar a equipe.

A pista que ficou parcialmente interditada, foi liberada às 13 horas, depois que foram retirados os veículos.

Foto: Matheus de Lara

Vídeo: Divulgação

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.