Equipe que socorria cinco vítimas fatais se joga na vegetação para evitar que fosse atingida por caminhão desgovernado

Equipe que socorria cinco vítimas fatais se joga na vegetação para evitar que fosse atingida por caminhão desgovernado

*Matheus de Lara

Palmeira – O drama da equipe de socorro que precisou se jogar na vegetação, para evitar que fosse estatística de um segundo acidente registrado no quilômetro 521, da BR-376, na manhã dessa quarta-feira (12), foi compartilhado com a reportagem do Página Um News, através de entrevista do tenente Paulo Ribeiro, do 2° GB de Ponta Grossa. Ele integrava a equipe de resgate que prestou atendimento ao grave acidente que envolveu o caminhão Volvo, placas de Rondonópolis (MT), carregado de fertilizantes (ureia). Nesse acidente registrado às 4h45 da madrugada, terminou com cinco pessoas da mesma família mortas (um casal e três filhas), após a carreta sair da pista e capotar às margens da rodovia.

Segundo acidente

Menos de três horas depois dessa tragédia, por volta das 7h35, socorristas foram surpreendidos nas proximidades da ponte do Rio Tibagi, sentido Ponta Grossa, município de Palmeira.
De acordo com o tenente, “após encontradas as quatro primeiras vítimas, a equipe realizava a busca pelo caminhoneiro, quando a equipe do Corpo de bombeiros ouviu uma buzina, visualizando, logo acima do acidente, um caminhão descendo desgovernado”.

Ribeiro também descreve que “esse segundo veículo acabou atingindo as viaturas dos bombeiros, sendo o Auto bomba Tanque (ABT) e caminhonete Auto Bomba Salvamento (ABS). Felizmente tivemos tempo hábil para desviar e sair da trajetória do caminhão, se jogar na vegetação”.
Não houve feridos no segundo acidente, e a carga de madeira ficou espalhada pela rodovia.

Santa Catarina

Família mato-grossense de cinco pessoas voltava de viagem de Santa Catarina quando tudo aconteceu. Conforme Ribeiro, por volta das 4h45 a equipe foi acionada ao local. “Inicialmente a informação é que teriam duas vítimas em óbito embaixo do caminhão. Chegando ao local foi constatado, através de uma bolsa com documentação, que tratava-se de cinco vítimas, todas da mesma família. Realizada as buscas, quatro corpos foram encontrados, sendo da mãe e das três meninas, e tivemos um pouco mais de dificuldade de achar o corpo do motorista”, destaca.

Ribeiro acrescentou que as vítimas foram ejetadas do caminhão. “Todos os corpos estavam em um raio de aproximadamente 10 metros, embaixo da carga. Então, durante o capotamento eles foram ejetados e a carga foi se espalhando por cima deles”.

Vítimas

Pela manhã, o Instituto Médico Legal (IML) de Ponta Grossa identificou as vítimas fatais, sendo o motorista da carreta Dislei Martins Ramos, de 40 anos; Geisebel Pereira de Souza, de 33 anos; Anna Luiza Souza Martins, de 13 anos; Amanda Priscila Souza Martins, de 9 anos e Rebeca Souza Martins, de 3 anos.

Inquérito

A Delegacia de Palmeira deverá abrir inquérito para apurar a causa do acidente. Para a reportagem, o delegado Plínio Gomes disse que “durante todo o dia ficamos sabendo que o acidente teria acontecido no município de Ponta Grossa. No final da tarde, fomos informados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) que o acidente aconteceu em Palmeira e parece que confere. Se for mesmo, o inquérito será instaurado por nós, e a partir de amanhã já vamos começar a trabalhar”.

Filas

Mais de 18 quilômetros de congestionamento formou-se na rodovia e antes das 12h30 a pista já havia sido totalmente liberada após o corpo do motorista ter sido resgatado.

*Com revisão e lead de Sandro Adriano Carrilho

Foto: PRF e 2° GB de Ponta Grossa

Foto destaque: Viaturas dos bombeiros atingidos pelo caminhão de madeira e também a carreta de fertilizantes que capotou e matou as cinco pessoas

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.