Mabel pede providências à SESA sobre alta nos números de mortalidade infantil em PG

Mabel pede providências à SESA sobre alta nos números de mortalidade infantil em PG

Da Assessoria

A deputada estadual Mabel Canto (PSDB), em sessão da Assembleia Legislativa do Paraná nesta segunda-feira, dia 16, questionou dados referentes ao crescimento da taxa de mortalidade infantil em Ponta Grossa.

Só em 2021, o município registrou 71 óbitos de crianças com menos de um ano de idade, dos 5041 nascimentos. Mabel requer informações da SESA sobre esses números registrados em todo o Estado, bem como o motivo para a desativação do Comitê de Prevenção de Mortalidade Materno, Infantil e Fetal da 3ª Regional de Saúde.

Mabel destaca que as gestantes tiveram dificuldades para realizar um dos exames mais importantes que é o ultrassom obstétrico. Em 2020, mais de 1000 mulheres aguardavam na fila de espera. Em outubro de 2021, a Prefeitura não renovou o convênio com as clínicas credenciadas, o que levou a um atraso de dois meses sem a realização destes exames. Em dezembro, um novo convênio com o Consórcio Intermunicipal de Saúde (Cimsaúde) foi firmado, onde apenas 350 exames foram garantidos para uma fila de 700 gestantes. “Um exame tão importante para saber as condições da gestação e do bebê. Infelizmente muitas gestantes ganharam seus filhos sem realizar o exame. Isso é um descaso”, disse a deputada. 

Mabel ainda falou sobre a estratificação da classificação das gestações no município, que foi realizada de maneira incorreta em vários casos. “Muitas gestantes e parturientes classificadas como risco habitual ou intermediário, na verdade tinham comorbidades e deveriam terem sido estratificadas como alto risco”, aponta.

De acordo com o Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade materno, infantil e fetal do sul do país em 2020 foi de 9,1. Se comparado a esse dado, Ponta Grossa registra um percentual ainda maior, com uma taxa de 14,08 em 2021. 

Mabel ressalta que o fechamento do Pronto Atendimento Infantil no Hospital Universitário Materno Infantil (HUMAI) também pode ter contribuiu com esses dados. “Nossas crianças têm levado horas para serem atendidas na UPA Santa Paula, muitas ficam 8 horas aguardando por atendimento e algumas até mesmo vão embora sem nenhum atendimento”, conta.

A deputada também destacou que o Programa Mãe Paranaense foi criado para reduzir a mortalidade materno, infantil e fetal no estado do Paraná, e prevê sete consultas e 17 exames para as gestantes, o que não está acontecendo. Para o deputado Michele Caputo (PSDB), criador do programa enquanto secretário de Estado da Saúde, “estamos vivendo problemas que já havíamos superado”. Ele também destaca que isso não ocorre apenas nos Campos Gerais, mas em todo o Paraná.

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.