Bolsonaro discursa para apoiadores em tom de campanha em Castro

Bolsonaro discursa para apoiadores em tom de campanha em Castro

*Luana Dias

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), chegou a Castro na tarde de sexta-feira (5), para a visita que estava sendo articulada há meses pela deputada federal Aline Sleutjes, e que ganhou do Planalto o nome de ‘Anúncios do Governo Federal ao Estado do Paraná’.

No município o político foi recepcionado por diversos apoiadores, na presença dos quais participou de evento no Parque de Exposições Dario Macedo, na Cidade do Leite, e na sequência de jantar festivo para 320 apoiadores, a maioria empresários. Durante seu discurso, precedido pela fala de integrantes de sua comitiva e do presidente da Cooperativa Castrolanda, Bolsonaro usou discurso típico de campanha eleitoral, apesar de afirmar que não se declara candidato à presidência, para as Eleições Gerais de 2022.

Durante seu pronunciamento, o presidente abordou diversos temas, como a pandemia do coronavírus, que já tirou a vida de mais de 600 mil brasileiros e continua a fazer vítimas no país, e afirmou: “nós fizemos o que foi possível”. Em tom de deboche, também afirmou que deseja que a Covid-19 não mate Adélio Bispo, ao referir-se a reabertura do processo que irá investigar a facada, sofrida por ele (Bolsonaro), em 2019.

Em Castro, Jair Bolsonaro destacou algumas riquezas do Brasil e afirmou que o Agronegócio é só uma das potências econômicas do país. Segundo ele, o setor vai bem porque não vem sendo freado pela atuação do governo. “Porque nosso trabalho é não atrapalhar vocês”, destacou.

O presidente também relatou que houve redução de 80% na aplicação de multas, nas atividades do agronegócio em geral, durante seu governo, e que no período, ninguém acordou com a preocupação de que sua propriedade estivesse sendo demarcada como terra indígena.

Em um momento crítico para a economia brasileira, Bolsonaro também afirmou que o responsável pela atual alta da inflação, do preço da gasolina e dos gêneros alimentícios é o movimento ‘fique em casa’, que ganhou força durante o período em que a pandemia fazia um número maior de vítimas diariamente em todo mundo. Na época, muitos profissionais de saúde orientavam a população a fazer o máximo de atividades, incluindo o próprio trabalho, quando possível, de casa, para evitar aglomerações e proliferação ainda mais significativa do vírus.

Títulos fundiários

Durante o evento realizado em Castro, na presença de Bolsonaro, também foram entregues títulos de regularização fundiária, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) – 800 títulos definitivos e 4,7 mil provisórios, para moradores da cidade de Jardim Olinda.

Ocorreu, ainda, a assinatura do termo de entrega de kits de cooperativa, do programa Roda Bem Caminhoneiro, pelo ministro da Cidadania, João Roma e pelo presidente da Cooperativa de Transportes Autônomos de Castro (Coopertrac), Rodney de Melo Larocca.

Chamado ao palco

Em meio ao evento e após pronunciamentos de alguns ministros, seguido das falas dos deputados Pedro Lupion (DEM) e Aline Sleutjes (PSL), Bolsonaro disse ter visto uma pessoa usando camiseta que trazia na estampa ‘Deus Pátria e Família’. Nesse momento, o engenheiro agrônomo Helcio Ferro, que tinha feito uma camiseta para entregar ao presidente, aproveitou a deixa e se apresentou, sendo chamado pelo presidente para fazer a entrega. “Foi uma honra muito grande” disse Hélcio Ferro ao Página Um News.

*Com Sandro A. Carrilho

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.