Região pode ter geada negra esta semana

Região pode ter geada negra esta semana

Luana Dias

A chamada geada negra, tão temida em outras épocas pelos paranaenses, pode estar ocorrendo novamente no Estado, que enfrenta uma das semanas mais geladas do ano até agora. O fenômeno, conforme explica Reinaldo Kneib, que é meteorologista do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), é caracterizado pelo vento gelado e constante, como os registrados nesta terça e quarta-feira (17 e 18). “Essa condição meteorológica é diferente da geada branca com a qual estamos acostumados e que se caracteriza pelos campos branquinhos. Essa ocorre quando há ausência de nuvens, e em geral vento calmo, fraco ou mesmo quando não há vento, e quando ocorre forte resfriamento, a temperatura fica abaixo de zero e a umidade é bastante alta. Já a geada negra não necessita de céu claro, pode ter nebulosidade e ter vento, essa é a diferença principal, a presença do vento constante, que chega a ocorrer por várias horas seguidas, empurrando o ar frio sobre as plantas”, destaca.

Kneib explica que só é possível saber se o fenômeno de fato ocorreu alguns dias depois, porque a ação da geada negra costuma danificar algumas plantas, principalmente hortaliças e algumas cultivares, quando ainda estão nas fases iniciais de desenvolvimento. “Já pode ter ocorrido, em algumas regiões, onde as temperaturas caíram mais principalmente, ou estar acontecendo agora, mas só vamos saber com o passar dos dias, porque esse vento resseca a folha e a umidade, e queima a seiva da planta, sobretudo, no caso das hortaliças mais sensíveis como o alface, por exemplo, ele pode até matar a planta”.

De acordo com o meteorologista, a presença do vento gelado e constante na região, nos últimos dias, pode estar associada a passagem do ciclone Yakecan pela região Sul do país, porém, ele também explicou que a tempestade não deve chegar ao Paraná. “O centro do ciclone já está sobre o oceano e se afasta para o alto mar. A influência dele é mais na ocorrência dos ventos, que estão associados a sua borda, e aqui não devem chegar a 80, 90 quilômetros por hora, como ocorreu no Rio Grande do Sul, por exemplo”, destacou.

O que deve permanecer na região até pelo menos final de semana, segundo Reinaldo Kneib, é o frio. Algumas regiões do Estado também ainda podem enfrentar geada branca nos próximos dias. “As baixas temperaturas ainda duram até na sexta-feira, mas a partir de amanhã o vento já vai perdendo força”, finaliza.

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.