Pix completa um ano e recebe novas funcionalidades

Pix completa um ano e recebe novas funcionalidades

*Luana Dias

Neste dia 16 de novembro o Pix – sistema de pagamento instantâneo do Banco Central (BC), completou um ano em funcionamento. A ferramenta, que até no final do mês de outubro já tinha 348,1 milhões de chaves cadastradas, por 112,65 milhões de usuários brasileiros (segundo dados recentes do BC), tornou-se ainda mais popular nos últimos meses, e a cada dia tem um número maior de adeptos.

Para o gerente geral da agência do Banco do Brasil de Castro, Nilson Assis Domingues de Arruda, a tendência é de fato, de crescimento, sobretudo, porque agora estabelecimentos comerciais também podem receber através do Pix. Além disso, como cita o bancário, mesmo existindo desconfiança entre alguns usuários conservadores dos serviços bancários, que preferem as ferramentas mais tradicionais, a adesão cresce a cada dia, justamente pelo sistema facilitar a rotina das transações financeiras.

Nilson de Arruda, gerente geral do BB em Castro

“O Pix é uma ferramenta muito importante para a população em geral, é mais um meio de melhorar o sistema. Antes, com a TED, por exemplo, só tínhamos a possibilidade de fazer transferência até as cinco da tarde, hoje dá para fazer transferência 24 horas por dia, agora com as reservas de valor noturno, por questão de segurança. No começo existia desconfiança e ainda existe certo receio, e alguns clientes ainda preferem as ferramentas mais antigas, o que é normal, afinal toda nova tecnologia ocasiona um pouco de medo, até que seja bem conhecida, mas o pessoal está aderindo bastante. O mais importante é que o clientes experimentem, à medida que estejam de acordo, e verão que se trata de uma boa ferramenta, muito prática”, ressalta.

Nilson destacou ainda que o fato de o Pix ter barateado as operações para o usuário, também faz com que um número cada vez maior de pessoas se interessem pela ferramenta. “Ficou mais acessível e exige bem menos dados. Para efetuar um pagamento com o Pix utiliza-se apenas um dado, já antes eram necessários de três a quatro dados”.

De acordo com o gerente do BB, o Banco do Brasil centraliza um quarto das transações bancárias que ocorrem no Brasil, e, entre os usuários já existe 18.1 milhões de chaves Pix cadastradas no país. “É um número bem expressivo, e a tendência é de crescer ainda mais, até mesmo porque a cada dia mais funcionalidades são agregadas ao serviço. Por exemplo, hoje o BB já gera boletos com Código QR para pagamento via Pix”, ou seja, as instituições bancárias também estão se adaptando ao sistema, conforme explicou Nilson. Ele também afirmou que os colaboradores da agência estão à disposição, para tirar dúvidas de usuários em geral, sobre a utilização do Pix.

Nova funcionalidade

No aniversário de um ano, o Pix ganha nova funcionalidade. Entrou em vigor na terça-feira (16) o Mecanismo Especial de Devolução, que agilizará o ressarcimento ao usuário vítima de fraude ou de falha operacional das instituições financeiras.
O mecanismo está regulamentado por uma resolução editada pelo BC em junho. Desde então, as instituições financeiras estavam se adaptando aos procedimentos.

Até agora, em uma eventual fraude ou falha operacional, as instituições envolvidas precisavam estabelecer procedimentos operacionais bilaterais para devolver o dinheiro. Segundo o BC, isso dificultava o processo e aumentava o tempo necessário para que o caso fosse analisado e finalizado. Com o Mecanismo Especial de Devolução, as regras e os procedimentos serão padronizados.

Segurança

O Pix completa um ano em meio a preocupações com a segurança do sistema. Por causa do aumento de sequestros-relâmpago e de fraudes relacionadas ao Pix, o BC limitou, em outubro, as transferências a R$ 1 mil entre as 20 horas e as 6 horas. Medidas adicionais de segurança foram adotadas, como o bloqueio, por até 72 horas, do recebimento de recursos por pessoas físicas em caso de suspeita de fraude.

Em setembro, ocorreu o incidente mais sério com o Pix registrado até agora. Uma brecha de segurança no Banco Estadual de Sergipe permitiu o vazamento de 395 mil chaves Pix do tipo telefone. Na ocasião, não foram expostos dados sensíveis, como senhas, valores movimentados e saldos nas contas, mas os números de telefone de clientes foram capturados por pessoas de fora da instituição.

No fim da semana passada, o BC acelerou as notificações às instituições financeiras que violarem os regulamentos do Pix e diminuiu as situações em que as multas serão isentas.

*Com informações da Agência Brasil

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.