Vereadores querem saber por que Carambeí está fora do Mapa do Turismo

Vereadores querem saber por que Carambeí está fora do Mapa do Turismo

Emerson Teixeira
Especial P1News

Carambeí – Os vereadores aprovaram na sessão desta terça-feira (12) requerimento que pede informações a Prefeitura Municipal sobre os motivos que levaram a exclusão do município do Mapa do Turismo Brasileiro 2022.

Os vereadores argumentam que até o ano de 2021 o município integrava o mapa criado em 2013 pelo Ministério do Turismo, na categoria D e na edição atualizada no final do mês de março, Carambeí deixou de integrar o rol dos municípios turísticos brasileiros. No pedido de explicações os parlamentares solicitam que a gestão municipal aponte os motivos que levaram a exclusão do município e se houve falha ou omissão dos responsáveis pelo setor.

Assinaram o documento o presidente da Casa de Leis, vereador Elio Ratinho (PSB); o vice-presidente, vereador Diego Macedo (PSD); o primeiro secretário, vereador Eclaiton Bueno (UNIÃO) e os vereadores Joel Sacolinha (UNIÃO), Professor Sandro (PSD), Professor Sérgio (PSD), Paulo Valenga (PDT) e Ilson Caninana (UNIÃO).

Mapa

A reportagem procurou a Paraná Turismo, órgão do Governo do Estado responsável pelo turismo estadual, e a Agência de Desenvolvimento do Turismo dos Campos Gerais – ADETUR, reconhecida pelo Ministério do Turismo como instância regional do setor, para entender as causas e consequências da exclusão de um município considerado turístico do mapa do Ministério do Turismo.

A coordenadora estadual da Regionalização do Turismo, Alessandra Giselle de Paula Xavier, explica que entre os principais benefícios é que 90 por cento dos recursos do Ministério são destinados aos municípios que estão no Mapa. “As ações da própria Paraná Turismo, de capacitação, qualificação, ações de promoção, divulgação e participação nos materiais são feitas também com os municípios que estão no Mapa em parcerias com as instâncias de governança, no caso de Carambeí, a Adetur Campos Gerais, são elas que nos subsidiam com informações dos municípios que fazem parte do Mapa, realmente é muito importante que os municípios participem desse processo, entendam principalmente que o objetivo do programa de regionalização é fazer com que todos ganhem na região, o turista pode vir, conhecer a região, o tempo que ele fica no município ele acrescenta outro, um município tem uma atratividade, outro tem um serviço, uma mão de obra qualificada, é uma soma de esforços regionais para fortalecer a região como um todo e consequentemente todos acabam ganhando com esse processo, é uma política pública que vem desde 2004 sendo desenvolvida pelo Ministério e pela Paraná Turismo, é de fundamental importância que os municípios entendam esse processo e participem dele”, explicou a coordenadora.

Conforme explicou a assessora técnica da Adetur, Karen Kobilarz, o novo mapa revela como está o desenvolvimento do turismo na região. “Como os critérios estão mais rigorosos permaneceram ou entraram no Mapa aqueles municípios que estão trabalhando o turismo de forma planejada e integrada. O que mais pesou é não ter conselho municipal ativo e o plano de trabalho para os próximos 12 meses, isto é, pensar e planejar a atividade junto com o setor privado e as entidades do setor”, explica.

Karen relata que durante todo o ano de 2021 a Adetur promoveu reuniões e encontros para orientar os municípios de como eles deveriam se preparar para a atualização do Mapa, mas que ainda assim, alguns municípios não conseguiram cumprir as exigências a tempo.

Ela ressalta que apesar de o município ter ficado fora do Mapa, ele pode se preparar para o próximo, “ele precisa reativar o conselho municipal de turismo, fazer o planejamento para os próximos 12 meses, participar da regionalização do turismo e comprovar que atua efetivamente no turismo”, explica.

“Nós sentimos muito, devido ao município já ter participação histórica no turismo regional, tendo grande destaque na gastronomia e cultura, com empreendimentos já consolidados, como o Parque Histórico e as casas de tortas. Para eles é importante que haja essa divulgação e fortalecimento do turismo dos Campos Gerais”, frisa Karen.

A reportagem procurou a Prefeitura de Carambeí, que se manifestou através de sua assessoria de comunicação e declarou não ter uma posição sobre o tema.

Parque das Águas integra o complexo do Parque Histórico de Carambeí, principal atrativo turístico. Foto: Arquivo/Divulgação

Empregos

O setor de turismo no município movimenta o comércio local, gera emprego e renda. Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Museu (Ibram), o Parque Histórico de Carambeí (PHC), maior museu histórico a céu aberto do Brasil, está entre os cem museus mais visitados do Brasil e no ranking dos museus de maior público visitante da região Sul, o que representa mais de 100 mil visitantes no ano de 2021.

O PHC gera 65 empregos diretos e indiretos, considerando os prestadores de serviço, atendimento ao turista e equipe do Koffiehuis. As casas de tortas empregam 57 pessoas. Os hotéis da cidade, juntos geram 28 empregos diretos.

Torta de Amora, prato típico de Carambeí. Foto: Tortas Wolf

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.