Em um ano preço da arroba do boi tem alta de 53% no PR

Em um ano preço da arroba do boi tem alta de 53% no PR

Luana Dias

O boletim desta sexta-feira (26) do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab) mostra que o ano de 2020 foi bastante atípico e positivo para a pecuária de corte nacional. Os preços da arroba bovina se elevaram nas principais praças pecuárias brasileiras.

No Paraná, o valor da arroba do boi subiu 53% no período de um ano (entre fevereiro de 2020 a fevereiro de 2021). Além da alta na arroba bovina, como consequência, também se observou alta nos cortes no varejo. No Estado, no mesmo período, cortes de elevado consumo como a carne moída, acém e patinho, chegaram a subir de 30% a mais de 40%.

Porém, não foram somente as carnes que subiram. De acordo com o médico veterinário Fábio Mezzadri do Deral, categorias de reposição como bezerros, boi magro para engorda e matrizes também se elevaram em altas proporções, diminuindo em certa parte a rentabilidade de produtores que trabalham com recria e engorda, e elevando os lucros daqueles que trabalham com o ciclo completo.

Acréscimos nas cotações

Segundo explica o veterinário, as altas da arroba bovina e consequente alta das carnes no mercado varejista têm algumas razões. Entre elas, o aumento das exportações brasileiras, justamente em um período de redução de oferta interna de animais terminados. “As exportações brasileiras se elevaram em 8% em volume em relação ao ano de 2019. Para a China o aumento foi de 75% (devido à peste suína que dizimou parte do rebanho suíno chinês). Esse país encontra-se ávido a adquirir proteínas de origem animal do Brasil”, destaca o profissional. Outra razão teria sido a estiagem que atingiu boa parte do território nacional em 2020, atrasando a engorda dos animais e elevando os custos de produção, impulsionado principalmente pelas altas no preço da soja e do milho. De acordo com Fábio Mezzadri, a manutenção do consumo, mesmo em época de pandemia, sustentado em parte pelo auxílio emergencial do governo federal, também contribuiu de certa forma para a manutenção do consumo da carne vermelha e sustentação dos preços no mercado.

Produção aumentou mas abates reduziram

A produção de carne bovina aumentou em 0,64% no ano passado, ou seja, o Paraná produziu 358,3 mil toneladas a mais que em 2019. Já o número de abates sofreu queda de 0,6% de 2019 para 2020, conforme apontam estudos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A união de alguns fatores teria sido responsável por esse cenário, conforme explica o veterinário. “Há alguns anos, com a elevação nos valores dos cereais como soja e milho e com a estabilidade nos valores da arroba, os produtores rurais vinham abatendo suas matrizes em alta escala e liberando seus campos para o plantio da soja, em busca de melhores rentabilidades. No último ano, com a alta expressiva no valor da arroba e valorização do bezerro, os pecuaristas passaram a segurar suas matrizes. Este fato, juntamente com a estiagem prolongada [falta de alimentos para o gado] e a alta nos custos de produção, formou a receita ideal para a redução no volume dos abates bovinos”, finaliza.

*Com informações do Deral

Foto: Gilson Abreu/AEN

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.