Diferença entre número de mortes e de nascimentos nunca foi tão pequena na região

Diferença entre número de mortes e de nascimentos nunca foi tão pequena na região

Luana Dias

Os registros de óbitos e de nascimentos da primeira metade deste ano revelam que a pandemia do novo coronavírus irá marcar profundamente as estatísticas vitais de diversas cidades brasileiras. Em algumas delas a diferença entre o número de pessoas que nasceram e de pessoas que morreram nunca foi tão pequena, e, o número de óbitos chega a ser maior em alguns municípios, como é o caso de Piraí do Sul, uma das cidades que fazem parte da área de cobertura do Página Um News. Por lá, até no dia 21 deste mês foram registrados 153 nascimentos e 186 óbitos. Os dados estão no Portal da Transparência do Registro Civil, que é abastecido diariamente por Cartórios de Registro Civil de todo país.

Se os números forem comparados com os de 2019, por exemplo, quando nem se ouvia falar em Covid-19, fica ainda mais claro que a pandemia é responsável pelo aumento das mortes registradas em boa parte das cidades brasileiras. No Paraná, ao longo do ano de 2019 foram registrados 72.928 óbitos, e só até julho deste ano o Estado já registrou 65.932 mortes, ou seja, apenas 6.996 mortes a menos que no ano retrasado inteiro, em praticamente um semestre.

Na cidade de Castro essa diferença é ainda menor, se comparado o número de óbitos de 2019 com os registrados de até julho deste ano. Há dois anos o município registrou o total de 538 óbitos, e só nos sete meses de 2021, já foram 445, diferença de apenas 93 mortes, em pouco mais de meio ano. E, deste total de mortes ocorridas em 2021 em Castro, 192 foram causadas pela Covid.

Já em Ponta Grossa o que chama atenção é a proximidade dos números de quantas pessoas nasceram e de quantas morreram neste ano. No município, até julho foram registrados 2.814 nascimentos e 2.477 óbitos. Trata-se da menor diferença entre nascimentos e óbitos registrada em pouco mais de um semestre, desde 2003, quando iniciou a série histórica dos dados estatísticos dos Cartórios de Registro Civil da cidade. Durante 2019 Ponta Grossa registrou 2.528 mortes, e mais que o dobro desse número de nascimentos: 5.799.

Em outras cidades da região, que também fazem parte da área de abrangência do P1News, a timidez na discrepância dos registros igualmente chama atenção. Em Tibagi foram documentados 157 nascimentos e 147 óbitos neste ano, enquanto que em 2019 inteiro o número de nascimentos (206), foi consideravelmente maior que o de mortes (40). Jaguariaíva registrou até agora 267 nascimentos e 247 óbitos, e, há dois anos, 440 nascimentos e 245 mortes. Em Palmeira este ano já foram registrados 216 mortes, e 235 nascimentos. O número de mortes é quase igual ao documentado ao longo dos doze meses de 2019, quando a morte de 225 pessoas foi registrada lá.

Foto: Luana Dias

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.