Trigo é destaque do Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária

Trigo é destaque do Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária

AEN

Apesar da redução de 20% na cotação do trigo na Bolsa de Chicago (EUA) nas últimas semanas, de US$ 10 para menos de US$ 8 o bushel, no mercado interno os preços recebidos pelos produtores no Paraná continuam valorizados. Esse é um dos assuntos apresentados no Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária referente ao período de 1º a 7 de julho. O documento é elaborado pelos técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento.
Nas últimas semanas, os preços do produto mantiveram-se no mesmo patamar, e os triticultores receberam, em média, R$ 110,00 pela saca de 60 kg. Comparativamente ao mesmo período de 2021, os preços recebidos pelo produtor em junho estão 36% mais altos – de R$ 79,01 para R$ 107,61.

De acordo com o Deral, apesar da queda no valor do bushel, há a expectativa de grandes moageiras aumentarem os preços de venda das farinhas nos próximos dias. Em junho de 2022, o valor médio das farinhas especiais no mercado atacadista foi 31% superior a junho do ano anterior, de R$139,35 para 183,11 a saca de 50 kg.

Enquanto isso, o preço médio do pão francês no varejo chegou a R$ 11,60 o quilograma, 3% superior ao registrado no mês anterior (R$ 11,22) e 15% acima do registrado em junho de 2021 (R$ 10,12). Com os reajustes anunciados, farinhas e pães devem acumular nova valorização em julho, apesar das dificuldades do mercado consumidor.

Milho e Soja

Com as condições de clima favoráveis nos últimos sete dias, a colheita da segunda safra de milho 21/22 avançou no Paraná. Nesta semana, o percentual colhido atingiu 10% de uma área total de 2,7 milhões de hectares. Também se observou no relatório desta semana que 64% da área já se encontra em maturação e o restante (36%) em frutificação.
Quanto à primeira safra de soja 21/22, a comercialização atingiu 68% da produção no relatório divulgado semana passada. Já a comercialização da segunda safra chegou a 64% de uma produção estimada de 127 mil toneladas.

Fruticultura e Olericultura

O boletim traz ainda um panorama mundial, nacional e estadual da produção de abacate. No Paraná, a produção está concentrada na região Norte (75%), sendo no município de Apucarana o principal produtor (8,1% do total), Arapongas o segundo (8%) e Assaí o terceiro (7,7%), de acordo com o Deral. Sobre a olericultura, os técnicos analisam a variação de preços da cenoura e do tomate no varejo nos últimos meses.

Leite e Mel

As novas pesquisas de preços no varejo e preços recebidos pelo produtor publicadas pelo Deral, referentes a junho de 2022, indicaram que o litro de leite longa vida apresentou uma alta mensal de 18%, atingindo o valor médio de R$ 5,61 no Estado. Os motivos do aumento incluem fatores como a diminuição na oferta de alimento, o elevado preço das sacas de soja e milho, do sal mineral e dos combustíveis, entre outros.

Os técnicos do Deral apresentam também no boletim da semana informações sobre as exportações de mel. Considerando os primeiros cinco meses de 2022, o Paraná continua a ocupar a segunda posição no ranking da exportação de mel in natura, com receita cambial de US$ 11,207 milhões e volume de 2.975 toneladas.

Mandioca

As condições climáticas novamente começam a dificultar os trabalhos no campo. Após um período bastante chuvoso nos primeiros 10 dias do mês de junho, a situação mudou a partir da segunda quinzena e já começa a prejudicar algumas atividades como a colheita da mandioca. Com uma área total de 130 mil hectares e uma produção estimada de 2.880 mil toneladas, os produtores até o momento colheram cerca de 50% dessa safra.

Avicultura

Nos cinco meses de 2022 a exportação brasileira de carne de frango cresceu 7,5% em volume e 33,5% em faturamento, segundo o sistema Agrostat do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. No Paraná, ocorreu um crescimento tanto no volume exportado (+10,2%) como no faturamento (+42,7%).

Boletim Agrometeorológico

Também foi divulgado nesta semana o Boletim Agrometeorológico elaborado pelos técnicos do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná), publicação mensal. O documento relativo a junho indica que o mês foi caracterizado por chuvas com distribuição espacial bastante heterogênea no Paraná. De modo geral, a metade sul registrou os maiores acumulados de chuva, pois é o local de entrada das frentes frias no Estado.

Quanto ao efeito do clima na agricultura do Paraná, apesar da pouca chuva e sua má distribuição ao longo do mês em algumas regiões, as temperaturas mais amenas reduziram a evapotranspiração e a demanda de água pelas culturas, evitando o estresse hídrico das lavouras. Além disso, a maioria das culturas encontrava-se na fase final do ciclo ou na colheita, e as lavouras nesses estádios requerem baixo quantitativos pluviométricos ou mesmo ausência de chuva.

Redação Página 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade do Página 1 News.